• Home /
  • Sobre /
  • Contato /
  • Categorias
  • “Conselhos de Amiga”

    A imagem abaixo inspirou Lunna a escrever em 2 horas o texto abaixo, já postei alguns dos maravilhosos poemas dela aqui, e confesso que fiquei admirada com a beleza e perfeição desse texto, ainda mais por Frida ser uma das personagens.


    Autora: Lunna Marcela A. Campos


    A noite caia como um véu estrelado tornando o pequeno vilarejo um pouco menos miserável. A mulher que caminhava com certa dificuldade se esgueirava pelos cantos das paredes da casa ora nelas se apoiando levemente, ora se recostando nelas. Ela olhou a sua volta e voltou a caminhar assim que avistou uma placa esculpida em madeira sob um lampião a óleo e um moço atarracado o acabava de acender-lhe as chamas. Assim que chegou de fronte a porta rústica e esburacada olhou mais uma vez a placa acima de sua cabeça confirmando; Estalagem “Viveram Felizes Para Sempre”, um leve sorriso escarnecedor cingiu a boca rispidamente enquanto ela adentra porta a dentro arrumando o xale vermelho sobre seus ombros.

    O interior da local estava escuro e levou alguns segundos para que ela acostumasse seus olhos e pudesse identificar suas amigas numa grande mesa posta em um canto discreto. Caminhando lentamente ela finalmente esta frente a frente aquelas que sendo suas amigas lhe enviaram tal convide com as seguintes premissas; Venha ter conosco amiga Frida, todas nós precisamos de você com urgência!. Tinha sido uma longa jornada porém havia chegado e agora estava ali sentada encarando suas amigas com olhar indagador.

    - Então? Falou enchendo uma caneca de vinho entregue pelo estalajadeiro assim que ela se sentou - Posso enfim saber qual o motivo de tanta urgência? E assim todas começaram falando ao mesmo tempo e logo a algazarra foi interrompida por Frida, Calma uma de cada vez - Branca de Neve fala você primeiro, por favor, as demais aguardem!

    -Frida que bom vê-la bem amiga, olha estou numa situação dificílima, meu pai se casou de novo após a morte de mamãe e agora meu pai também morreu – Branca de Neve olhava aflita para Frida e continuou - Ela é uma mulher belíssima, altiva e muito poderosa e eu a admiro muito, tentei me aproximar dela, ser amiga dela nada adiantou – Branca suspirava - não sei mais como agir para conseguir romper com esta condição lamentável que se instalou entre nós duas – pegando na mão de Frida disse – Me ajuda amiga o que eu faço para me entender com ela? Tenho medo de morrer sem me entender com ela e hoje recebi uma informação sigilosa que corro perigo de vida e minha morte está marcada para esta noite.

    As mãos de todas as moças tremiam enquanto levavam os copos de vinho aos lábios e as jarras eram cheias sucessivamente. Frida olhou para Cinderela e fazendo um gesto disse – Fale você agora! – enquanto bebia seu vinho Frida mantinha o cenho franzido e alisava distraidamente as flores em seus cabelos.

    - Estou apaixonada por um homem amiga não simples homem, mas um príncipe que conheci na floresta, eu e ele passamos um dia maravilhoso, foi loucura total! – falou baixando os olhos e soltando uma risadinha – Sabe teve magia, química, física e biologia, nos entregamos um ao outro sem pensar em nada nem em ninguém. 

    Naquele dia eu havia me arrumado muito bem com o vestido e as jóias ainda me restavam da herança de minha mãe. – Os olhos de Cinderela brilhavam perdidos nas lembranças da tarde de amor – Ele partiu para o castelo e prometeu que mandaria me convidar para um baile onde me apresentaria a seus pais e toda a corte como sua futura esposa – Cinderela agora chorava.

    - Não consigo ver onde está o seu problema, Cindy.

    - Não? Cheguei a casa aquela noite como sempre fazia, me esgueirando pelos cantos sombrios, mas fui descuidada, pois estava com a cabeça nas nuvens daquela vez, tinha sido tão intenso! - Cinderela se perdia em seus devaneios a todo instante - Enfim amiga fui pega pela minha madrasta que me confiscou meu pequeno tesouro, agora não tenho nada, olhem para mim? – falou Cinderela apontando os pés descalços, os andrajos remendados e sujos de borralhos, os cabelos desgrenhados e as mãos cheias de calo.

    Realmente estava uma lástima pensou Frida – porem apenas disse – continue?!

    Amiga e não é apenas isso, eu imaginava que desejaria vê-lo novamente e menti para ele, meu nome e todo o resto como sempre faço e nunca antes havia me dado problemas, mas agora eu desejo muito uma chance com meu príncipe encantador e a festa é esta noite.

    - Entendi amigas – e erguendo a jarra de barro no ar gritou – mais vinho, por favor! – 
    Bebi porque queria afogar minhas mágoas, mas agora as coisas malditas aprenderam a nadar. 

    Quando Frida falava estas coisas as moças davam risadas apesar e toda preocupação delas. Frida era muito admirada por todas.

    -Vamos Bela Adormecida comece a falar, sou toda atenção, mas peço que não se demorem, pois Diego me espera na entrada da vila, sabem como é nosso tempo juntos é sagrado para mim, dos meus acidentes ele é o meu predileto e mais importante.

    Todas sorriram concordando e Bela começou a falar.

    - Olha Frida como você deve se recordar hoje é meu aniversário de dezesseis anos e tem aquela maldição que fala que vou dormir o sono eterno e até agora não conheci ninguém para me dar o beijo e me salvar, e olha que procurei pelos quatro cantos deste e de muitos outros reinos. Meu pai e minha mãe estão insuportáveis, querem me manter trancada a quatro chaves no castelo e se eu quero sair tem que ser escondida. Agora me digam como eu poderia conhecer algum amor verdadeiro se nem de casa saia? Eu odeio meu pai e minha mãe e eu estou seriamente desconfiada que eles pretendam é me matar! Amiga acredite em mim.

    - Sim acredito em você Bela assim como também acredito nas outras, pois sei que não há nada escondido; se houvesse eu veria. 

    - Muito bem, vamos lá! - Serei breve e sucinta prestem bem atenção em minhas palavras; - Tomando mais um gole falou disparou – Branca você vai para o castelo e vá ao encontro de sua madrasta nos aposentos dela, dispa-se diante dela, liberte-se de todo receio e diga-lhe todo amor que sua alma carrega por ela. Fale sem meias palavras ou verdades de seus sentimentos e coma a maça que ela te oferecer sem medo de ser feliz.

    - E você Cinderela - olhou para a amiga – também deixe de se auto-afirmar em coisas tão efêmeras como roupas e jóias, por acaso quando você e seu príncipe se amaram você estava vestida ou ele? Eram os dois príncipe e princesa ou homem e mulher? - Vá agora para o castelo e diga tudo ao seu amado e se ele te amar vai lhe amar da mesma forma que antes, se desistir de você é porque não te ama. 

    - Bela minha flor, deixe imediatamente esta sua vida parasita e vá agora a casa das mulheres tecelãs aprender a fiar, tenho certeza que isso resolve seu problema imediato, afinal somente uma princesinha mimada iria espetar o dedo em uma fiandeira tão rudimentar.

    E levantando-se chamou as amigas agora venham aqui perto – ordem prontamente atendida por todas – Frida pegou uma navalha sobre a mesa e chegou bem perto das amigas.

    – Branca assuma sua homossexualidade e seja feliz – falou enquanto passava a navalha sobre os cabelos dela deixando os cabelos de Brancos bem curtinhos.

    - Cindy você é livre para viver plenamente sua sexualidade sem necessidade de tentar ser quem você não é – cortou a blusa de cinderela que em trapos caiu ao chão e com um carvão que estava sobre a mesa Frida escreveu na pele da amiga – Meu corpo minhas regras. – Sua melhor roupa Cindy!

    - E você Bela, tome para si este livro e leve-o com você e o leia quando for ter com as tecelãs do reino tenho certeza que tanto você quanto elas vão fazer muito bom uso dele.

    Bela pegou o livro nas mãos e leu as letras douradas na capa preta do volume, “Maquiavel”

    Frida continuou falando; - amigas lembrem-se que eu apenas pinto a mim mesma porque sou o assunto que eu mais conheço, então dediquem o vosso tempo buscado conhecer a si próprias.

    Dizendo isso Frida levantou-se e saindo da taverna sumiu na noite escura enquanto as outras três mulheres se despediam e saiam em busca de suas vidas transformadas por aquela mulher.


    Visões Poéticas - Sonhos se realizam

    A 10 anos atrás escrevi meu primeiro poema, Soneto da Alma, a quatro anos atrás decidi escrever um livro, a dois anos atrás terminei o livro e ai começou a longa jornada de envio de originais para várias editoras, e foram muitas mesmo, eu já estava cansada e quase desistindo quando conheci a Yeda Lins uma escritora que me enviou um livro dela para eu fazer resenha para o Universo dos Leitores, e através dela conheci a editora Penalux, enviei meu original e três meses depois recebi a noticia de que meu original havia sido aceito, ai foi só alegria e um pouco mais de trabalho, manda foto, faz revisão, corte de poemas, escrever biografia, mais revisão, escrever dedicatória, escolha da capa, diagramação e muitos outros detalhes. Depois de tudo isso foi só aguardar o envio do livro para a gráfica, e hoje depois de todos esses anos tenho meu livro em mãos, sim eles chegaram hoje, minha mãe quem recebeu e eu a proibi de abrir as caixas, eu queria ser a primeira pessoa a vê-los, valeu cada segundo de espera pois ficaram muito alem do que imaginei, superaram as minhas expectativas, quero parabenizar a editora penalux pelo tempo e dedicação que empregaram no meu livro, agradecer pelo lindo trabalho e pedir desculpas pelas mil vezes que troquei a foto, e agora é só aguardar pelo dia do lançamento.









    Os livros poderão ser adquiridos no site da editora: www.editorapenalux.com.br
    Ou no facebook da editora: Penalux
    Meu perfil de escritora no Skoob: Josielma Ramos
    Meu livro no Skoob: Visões Poéticas
    Espero que se interessem e amem a leitura, esse livro foi feito com muita vontade, carinho e dedicação, hoje posso afirmar que sonhos se realizam.

    23º Bienal do Livro

    Ontem fui a Bienal, realizei um sonho antigo, pois eu nunca tinha conseguido ir a uma, consegui com três meses de antecedência a minha credencial de blogueira pelo blog Universo dos Leitores, no qual sou colunista, eu me senti no paraíso literário, cheguei tarde na bienal pois tive que esperar a minha irmã que demorou para se arrumar, combinamos de encontrar com nossa prima na plataforma da Barra Funda, mas para nossa surpresa encontramos ela no trem, descemos na Barra Funda e lá no terminal tinha ônibus gratuitos disponibilizados pelo evento para nos levar e trazer, foi tudo muito perfeito e organizado.


    Logo na entrada damos de cara com a frase tudo junto e misturado, realmente foi um show de interatividade, só que eu não prestei atenção e fui seguindo a minha irmã e prima para entrar, como elas estavam com ingressos a entrada delas era essa da foto, a minha entrada era pela lateral, que era a dos profissionais credenciados.


    Todos estandes que eu entrava só cruzava com livros caros, mas depois de caminhar bastante comecei a encontra livros baratinhos, a maioria era infantil, mas no estande da Ciranda de Letras encontrei ótimos livros de literatura por apenas 5 reais.


    Acho que essa imagem se encaixa muito bem no tema interatividade.


    Olha só a fila para ver a Blogueira e escritora Bruna Vieira, eu consegui ver ela lá dentro da cabine, mas nem consegui chegar perto, muita gente gritando e muitas fãs enlouquecidas chorando, fui empurrada e apertada, acabei desistindo.


    Minhas companheiras da Bienal, minha irmã Priscila com a filhinha Júlia e minha prima Rosângela.


    Eu estava sem câmera, depender do tablet para tirar fotos dá nisso.


    Conheci o escritor Maurício Gomyde, autor do lindo livro A máquina de contar histórias.


    Governei por alguns segundo os sete reinos.


    A minha irmã e minha sobrinha também.


    E a minha prima também, se bem que eu dei bronca nas duas por não terem lido os livros e nem assistido a série ainda rsrs.


    Livro gigante mega interativo.


    Selfie no ônibus a caminho da Bienal, confesso que odeio selfies, sempre ficamo feios nelas rsrs.


    Se não me engano aqui estávamos no estande da editora Globo, tantos títulos incríveis, mas confesso que achei carinho os livros, mas se eu tivesse mais dinheiro com certeza teria comprado todos rsrs.


    Marcadores autografados, só que a burra esqueceu de tirar foto do outro lado do marcador, as autoras estavam no estande.


    Rolou até uma brincadeira da editora com os blogueiros parceiros, infelizmente não pude ficar até o final, por que ontem os trens estavam todos atrasados.


    Então é isso galera, foi assim minha primeira Bienal, espero poder ir em muitas outras por muitos anos e quem sabe talvez como escritora, não custa sonhar alto, no próximo dia 31 estarei lá novamente, então aguardem novos posts.
    Até logo :)

    Espalhando Poesia

    Sempre vi imagens com frases bonitas e inspiradoras espalhadas pelo facebook, pensando nisso resolvi criar as minhas com frases e poemas, postarei todas no meu tumblr, podem acessar aqui >>> http://josielmaramos.tumblr.com/




    Fases







    "Josielma Ramos"

    Eu sou a lua, 
    Sou uma mulher de fases,
    Sou uma mulher em fases,

    Eu mudo e me transmuto,
    Sempre minha,
    Eu não sou de ninguém.

    Playlist de Domingo: Amy Winehouse

    Para mim não existe nada que me deixe mais feliz do que ouvir músicas da Amy Winehouse em 
    um domingo frio como o de hoje, a maior perda da música mas que ainda alegra os meus dias.

    Peça: Um Morro e Duas Cidades Num Planeta Enfermo

    Hoje vim compartilhar a minha alegria com vocês, há alguns anos atrás comecei a participar dos encontros poéticos como muitos sabem, e nesses saraus eu conheci o Weber Carvalho, dramaturgo e ator aqui da minha cidade, ele escreveu uma peça chama "Um Morro e Duas Cidades Num Planeta Enfermo", a qual sempre tive muita vontade de assistir mas nunca tinha tido a oportunidade, essa semana fiquei sabendo que o Movimento de Dramaturgia Rural viria se apresentar no sesi em frente a minha casa, claro que eu não ia perder a oportunidade né, bem vamos ao que interessa, a peça, vou falar um pouco dela para vocês.



    A peça conta a história de Cacique Barueri, Padre Pirapora, Alphaville, Velha Parnaíba, Dona Carapicuíba, Mutinga, Dona Jandira,  Pastor Rochinha e Dr.Itapevi, que são personagens que levam o nome das cidades cortadas pelo rio Tietê, a apresentação tem como plano de fundo problemas existencialistas da sociedade, de forma divertida e chocante eles contam a história do nascimento e da morte do rio Tietê fazendo com que o espectador reflita sobre nosso estado social, um processo que acontece por causa da luta pelo poder, não só dos políticos e religiosos, mas de todos os outros, fazendo do rio o retrato fiel do descaso e da injustiça de que só o ser humano é capaz.





    A peça tem 50 minutos, recomendada para maiores de 16 anos, conta com o elenco e músicos: André Bastianon, Carol Nogueira, Irla Costa, João Carlos Almeida "Cacau", João Victor, Marjorie Costa, Thiago Araújo e Weber Carvalho.

    Sobre meu livro: Visões Poéticas

    Boa tarde galera, como prometido vim mostrar em primeira mão a capa do meu livro para vocês, e ai me digam o que acharam? nem preciso dizer que eu amei né, estou super ansiosa pelo lançamento dele que está previsto para o dia 14 de Setembro, poderá ser comprado através do site da editora www.editorapenalux.com.br, mais novidades em breve.




    Playlist de Domingo

    Não é segredo para ninguém que eu amo todo tipo de música, e como uma boa romântica que sou, é claro que nessa lista de amores entra o sertanejo, listei aqui poucas músicas que me faziam suspirar, então venham conferir a playlist desse domigo. 

    Respondendo perguntas

    Na próxima semana estarei gravando um vídeo respondendo as perguntas que os leitores me enviarem, responderei qualquer pergunta sobre meu livro ou coisas que tiverem vontade de saber sobre mim, basta perguntar aqui mesmo nos comentários ou enviar sua pergunta para: josielma_ramos@yahoo.com.br

    Feitiço


    "Josielma Ramos"

    Sou mulher,
    Tem dia que sou bruxa,
    Tem dia que sou fada,
    Prefiro ser malvada,
    Do que ir pela estrada errada.

    Cuidado!
    Posso enfeitiçar você.

    Dia quente!

    O dia hoje foi muito fofo ao lado das minhas pequenas, a Sophia está ficando viciada em Harry Potter, assistimos 2 filmes e depois fui para calçada ler as crônicas de gelo e fogo, porque hoje o dia estava muito quente, não consegui passar de duas páginas pois minha mãe apareceu com as pequenas, e eu não resisto a tanta fofura.
    Olha tia, é o Harry, o Harry!



    Muito amor com a Priminha
    Júlia está naquela fase puxa-cabelo, coitada da Sophia que é quem mais sofre.

    Fotografando a Sol

    Não é segredo que eu amo fotografias e mais ainda fotografar, eu fotografo a Sophia desde que ela tinha um dia de vida, foi a minha primeira sobrinha e costumava dormir em cima da minha barriga o dia inteiro quando minha irmã ia trabalhar ou ia pra faculdade, posso dizer que essa menininha é minha melhor amiga e me surpreende cada dia mais, sou a tia mais babona do mundo, hoje fizemos juntas essa coroa de flores e obvio que eu não ia perder a oportunidade de fotografar ela tão linda assim.










     
    Copyright © Como vejo o mundo | Blog | Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por VR DESIGN :: VOLTE AO TOPO