• Home /
  • Sobre /
  • Contato /
  • Categorias
  • Sem Liberdade

    "Josielma Ramos"

    Cadê você?
    Tento enxergar em meio à névoa,
    Que se formam em frente meus olhos,
    Ela não encobre a dor no meu coração.

    Onde estará?
    Perdeu-se no meio do caminho?
    Ou encontrou outra estrada?
    Desistiu de mim.
    Ou foram suas escolhas que sempre estiveram erradas.

    Não me importo mais,
    Consigo soprar a névoa que distorce minha visão,
    Consigo soprar a poeira que encobre meus pés,
    Pés que nunca se moveram.

    Fiquei aqui por tanto tempo,
    Que me perco em datas,
    Não sei como começou,
    Quando,
    Ou porque,
    Mais sei por que teve fim.

    Não me pergunte mais nada,
    Cansei das de dar respostas,
    Você não as escuta,
    De que adianta,
    Não quero ter que passar por isso de novo.

    Quero ser livre,
    Mais não posso,                     
    Você cortou minhas assas.

    Terminal

    "Josielma Ramos"


    Abandonado, largado,
    Vejo um homem sujo, imundo,
    Sentado, encostado no banco desse terminal.

    Mão estendida,
    Boca faminta,
    Indiferença veemente,
    No rosto de toda gente.

    O que ele faz ali, sozinho?
    Quem o abandonou?
    Veio porque quis?
    Ou alguém o obrigou?

    Não sei mais o que esperar da humanidade,
    Que nos obriga pouco a pouco,
    A seguir um caminho sem volta.

    Sinto pena do homem sujo,
    Deitado no frio banco do terminal,
    Passo e olho, e todos que passam fazem o mesmo.

    Apenas olham...

    Porque não ajudo?
    Porque ninguém faz nada?
    Já nos acostumamos com essa situação,
    Por isso não nos esforçamos para muda-la.

    A culpa pode ser dele de estar naquela situação,
    Ou minha...
    Por fazer parte, de uma sociedade discriminatória.

    Mais claro que preferimos acreditar que o culpado seja ele,
    Mesmo que não seja,
    E na maior parte do tempo não é.

    Medo do Tempo


    "Josielma Ramos"

    Tornei-me fugitiva,
    Se eu olhar pra trás estou perdida,
    Tenho vivido assim,
    Em meio ao tempo,
    Sem tempo pra mim.

    Se eu olhar pra trás estou perdida,
    Ando com pressa,
    Correndo me escondendo,
    Pessoas passando,
    Os passos em minha cabeça vão ecoando,
    E os dias vão passando.

    Se eu olhar pra trás estou perdida,
    O medo crescendo,
    Minha vontade morrendo,
    Vou ficando aqui,
    Abandonada,
    Esperando o julgamento do destino.

    Se eu olhar pra trás estou perdida,
    E assim fico...
    Apenas fico...
    Deixo-me ficar,
    Sem nunca, jamais,
    Olhar para trás.

    Se eu olhar pra trás estou perdida.

    Encontro

    "Josielma Ramos"

    Cansada,
    Sozinha,
    Minha dor cresce dia-a-dia,
    Tristeza sem fim,
    Meu amor fugiu de mim.

    Onde estará meu lugar?
    Não sei!
    Onde encontra o lugar?
    Não sei!
    Alguém será meu lugar?

    No coração de alguém deve estar!
    Cansei de andar,
    Caída estou,
    Sentada no chão,
    Com a poeira,
    Cegando minha visão.

    Braços cruzados,
    Não aguento dar,
    Mais nenhum passo.

    Rosto descarnado,
    Da fome e depressão,
    Olhos cansados,
    Da angustia e solidão.

    Triste meu fim,
    No céu alguma luz,
    Ainda brilha para mim!
    Mais aqui na terra,
    Morreu,
    É o fim.


     
    Copyright © Como vejo o mundo | Blog | Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por VR DESIGN :: VOLTE AO TOPO